quarta-feira, 2 de abril de 2014

Professor Milton, diz que mandato de Gleide Santos é caótico


Seu nome é Milton Teixeira Santos Filho, conhecido na cidade apenas como: Professor Milton. Casado e pai de três, ele é natural da cidade de Floresta Azul, no estado da Bahia. Mora na cidade de Açailândia, há 22 anos. Ele tem formação acadêmica em pedagogia, tem especialização em Gestão Escolar, Filosofia e Psicopedagogia.

Além de professor efetivo no estado, professor Milton, é presidente do diretório municipal em Açailândia do Partido Socialismo e Liberdade (PSoL) e ocupa o cargo secretário de formação política no Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica das Redes Públicas Estadual e Municipais do Estado Maranhão (SIMPROESEMMA) e foi candidato a prefeitura nas últimas eleições, pelo PSoL.

Ela falar sobre a realidade da cidade de Açailândia e das manifestações que estão ocorrendo na cidade tanto da útima semana, quanto a que ocorrerá amanhã. E me concedeu entrevista por e-mail. Segue a entrevista:

Papo Sério: Em sua opinião, como está hoje a cidade de Açailândia, sendo esta uma das mais importantes cidades do Maranhão?

Professor Milton: Passa por uma crise político-administrativa em função da má administração da prefeita Gleide Santos e seu grupo político. Grupo este composto por três ex-prefeitos, todos implicados judicialmente por improbidade administrativa em gestões passadas. Tal fato, compromete o uso adequado dos recursos públicos no que diz respeito a execução de políticas públicas, necessárias as populações empobrecidas, bem como torna o município fragilizado quanto a atração de investimentos no setor empresarial, capaz de respeitar o equilíbrio da sustentabilidade humana.
  
Papo Sério: Para você como anda a administração da cidade nesse primeiro ano do mandato da atual legislatura?

Professor Milton: O primeiro ano de mandato é caótico, dado que existem vários indícios de má aplicação de recursos públicos. Recentemente, fora entregue a Câmara de Vereadores um dossiê, contendo elementos importantes que exigem daquela Casa de Leis a instauração de uma CEI – Comissão Especial de Inquérito. Além disso, já existem tramitando no judiciário, duas outras ações judiciais que poderão implicar na cassação da prefeita Gleide Santos. Outras ações judiciais poderão ser ajuizadas nos próximos dias.
Do ponto de vista histórico e político do nosso município, nunca houve um desastre administrativo de tal magnitude, mesmo com a cassação do ex-prefeito Deusdete Sampaio e o caos criado pelo ex-prefeito Ildemar Gonçalves em suas administrações.
       
Papo Sério: Por que o município chegou a essa à situação?

Professor Milton: Porque a população não fez a escolha certa. Dado que no ultimo processo eleitoral, o PSOL e o PCB proporcionou um caminho alternativo, comprometido principalmente com as camadas empobrecidas. Pessoalmente, imaginava que iria chegar a este quadro, não nestes níveis, pois a atual gestão conta com alguns sujeitos em cargos estratégicos que cometeram sérios e graves erros em administrações passadas. Foi por isso, que coloquei meu nome a disposição como candidato a prefeito, por entender que a população açailandense merece uma administração a altura de seu povo bom, honesto e trabalhador.   

Papo Sério: E qual a realidade concreta do funcionalismo público de Açailândia?

Professor Milton: Insegurança, instabilidade, descontentamento, medo... Tudo isso por conta de uma prefeita e secretária de educação autoritária, insensível, antidemocrática e acima de tudo perseguidora política.

Assim que essa administração iniciou, vários problemas surgiram: desrespeito e afronta as leis e os legisladores; ao judiciário; as representatividades populares entre outros. Bem como, redução indevida de determinados salários (diretores escolares, supervisores  e coordenadores pedagógicos; agentes de saúde e endemias).

A democracia estabelecida pela intensa luta popular, tão bem expressa na Constituição Federal brasileira tem sido afrontada pela atitude imatura e agressiva da prefeita e de alguns dos seus subordinados.

Papo Sério: Como estar a organização do movimento que surgiu a partir da mobilização nacional de professores, trazendo aqui para de Açailândia?

Professor Milton: A mobilização dos professores, integra uma mobilização popular ativa dos movimentos sociais do nosso município que se levanta cada vez que sente ou percebe que a ordem pública está ou pode ser ameaçada por atos que ferem a democracia. Essa mobilização está cada vez mais viva e forte, com tendência de “tomar corpo” mais volumoso por perceber que não há vontade política do atual governo para dialogar e assumir compromissos concreto com a sociedade.

São mais de dez (10) entidades sociais que gozam de alta credibilidade junto a sociedade que se movem em favor do respeito e a dignidade do povo açailandense.

Papo Sério: O movimento tem conseguido o apoio da sociedade açailandense?

Professor Milton: Sem dúvidas, inclusive de parte dos vereadores do município. Isso pela legitimidade e base concreta no que se reivindica.

Papo Sério: Quais as principais reivindicações dos trabalhadores do município?

Professor Milton: Instauração de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) pela Câmara de Vereadores em função dos inúmeros indícios de irregularidades, praticados pela atual gestão. Todas elas ferem o respeito a dignidade do povo açailandense.
  
Papo Sério: E o que dizem os vereadores sobre essa realidade?

Professor Milton: Há um número crescente de vereadores que apoiam este movimento e creio que outros irão aderir, dado a seriedade e o compromisso que requer daquela Casa de Leis no sentido de não abrir mão de fiscalizar e atuar com respeito aos votos que lhes foram confiados. Qualquer comportamento contrário a isso, será um “suicídio político”.

Papo Sério: Sabe dizer se há possibilidade deles tomarem alguma providência mais séria em relação ao executivo?

Professor Milton: Sim, isto é que alimenta e mantém o movimento forte e coeso. Confiamos que os vereadores respeitarão e defenderão o povo açailandense.

Papo Sério: Como está o ânimo dos trabalhadores para a luta?

Professor Milton: Muito bom e permanentemente alimentado pelo senso de justiça e compromisso social. O coletivo deve sempre prepondera ao individual.

Papo Sério: Quais os próximos passos da mobilização dos funcionários públicos na cidade?

Professor Milton: Na próxima quarta-feira, a partir das 18h precisamos nos mobilizar e com sentimento de indignação,  justiça e paz todos e todas para irmos a Câmara de Vereadores, apoiando as atitudes éticas e morais dos vereadores quanto a defesa do povo açailandense. Isso se concretiza com a abertura e execução da Comissão Especial de Inquérito (CEI).

Papo Sério: Tem mais algum ponto que você gostaria de acrescentar?

Professor Milton: Gostaria de conclamar todos os vereadores e vereadoras a mudar a história de omissão e cumplicidade com que a Câmara Municipal de Vereadores tem agido em relação às péssimas administrações. Para tal, faz-se necessário tomar posição e assumir de público que o povo é a razão de ser de seu mandato, fato que impõe a cada um deles dar um basta nesta situação imoral que se instalou na administração pública do nosso município e desenhar um novo caminho para as próximas administrações, baseado no respeito a coisa pública e norteado pelos princípios constitucionais – legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.


Nenhum comentário:

Postar um comentário