terça-feira, 23 de novembro de 2010

IDOSOS REIVINDICAM OS SEUS DIREITOS EM AÇAILÂNDIA


Um encontro de suma importância para a sociedade  açailândense aconteceu hoje no recanto dos idosos.A pauta da reunião foi o transporte coletivo em nossa cidade no que se referere ao tratamento com os idosos.Lá estiveram presentes os defensores públicos:Dr.Luis Otávio,Dr.Bruno Dickson e Dr.paulo Rodrigues da Costa.Representando a UNITI(Universidade da terceira idade)os professores Maria Alice e Pe.Luis.A senhora Nágila Presidente do conselho do idoso e o Sr.Raimundo Nonato Gerente da empresa OAM – atual prestadora  de serviço de Transporte coletivo da Cidade de Açailândia.
A iniciativa segundo a Sra.Fátima Camelo (Responsável pelo Recanto dos idosos) partiu da empresa OAM-Viação São Francisco que junto com ação social do município  após ouvir muitas  reclamações em relação ao tratamento dos motoristas para com os idosos resolveu fazer uma reunião.
Fátima Camelo após as costumeiras dinâmicas realizadas pelas as sua auxiliares juntamente com o público idoso;deu início aos questionamentos sobre o assunto ali em destaque.Em sua fala frisou o sofrimento dos idosos para pegar um ônibus coletivo em nossa cidade,deixando em aberto para que os idosos selecionados antecipadamente pudessem passar o seu recados e reclamações.

“Queremos mais atenção por parte dos motoristas na hora de subir e descer.Muitas vezes antes de terminarmos de subir,o ônibus já está saindo – disse dona Creusa com expressão do rosto cansada .

“Nós queremos ônibus em nosso Bairro! – argumentou Maria José Guimarães – moradora da vila Tancredo.



Após muitos questionamentos e desabafos.O Sr.Raimundo Nonato sensível as reividicações explicou que tomaria providências em relação ao mal comportamento dos motoristas,na tentativa de melhorar o atendimento  aos idosos.
Logo em seguida o mesmo passou orientações quanto a apresentação das carteiras pelos idosos.Advertiu para que nunca deixassem de levar a sua carteirinha para apresentar aos motoristas.E que até fevereiro estarão com uma frota “zero” para  melhor servir a comunidade.

Na minha opinião é necessário muito mais que “frota zero” e alguns “puxões de orelhas” em motoristas para melhorar o atendimento do serviço de transportes urbano para os idosos em Açailândia.Como em qualquer lugar do mundo;sem amor ao próximo nada perdura.É necessário sensibilidade humana.Respeito por aqueles que já deram a sua contribuição para a nossa sociedade e por que não dizer ainda continuam dando - pois muitos ainda labutam mesmo depois de aposentados.Como é o caso desta idosa que irei relatar agora.

Lembro-me que há  alguns dias ouvir de uma senhora de 68 anos um desabafo.Ao dar-lhe  uma carona do ponto final da Vila Ildemar ao centro da cidade.Durante o percurso revoltada me falou: “Sabe seu padre,nunca pensei que depois de velha eu ainda seria humilhada.Já não basta as dificuldades que passei em minha juventude e quando finalmente me aposento e tenho minha carteira de idoso; tenho que me irritar em “ponto de ônibus”.

Um dia desses estava em uma parada  quando o ônibus ia se aproximando fiz “sinal “e ele simplesmente parou mais à frente onde tinha passageiros mais jovens(que pagam passagem).Fiquei tão chateada que não tive nem coragem de ir até lá,pois a distância era grande e a humilhação maior ainda .Peguei um táxi e no dia seguinte fiquei sabendo que algumas pessoas que moram na Vila Ildemar as vezes não ficam pertos de idosos em paradas para não perder o ônibus.É inacreditável mais acontece isso aqui.E por incrível que pareça não é só em nossa cidade isso é prática em muitos outros lugares.


2 comentários:

  1. É preciso que o Poder Publico, respeite e faça respeitar o Direito daqueles que em sua juventude, prestou relevantes contribuições,para o progresso e desemvolvimento da Sociedade.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Pe. Luis
    Em divulgar a reunião dos idosos, é necessário que a população de Açailandia juntamente com os idosos aprendam a denunciar os maustratos com as pessoas idosas, só assim eles serão respeitados.

    ResponderExcluir